Entrevista

Descubra quem é a voz do Brock.
Alfredo Rollonavigate_nextBrock

Alfredo Rollo, 43 anos, psicólogo, psicanalista e psicodramatista, também ator de voz, diretor de teatro e dublagem de voz original. Ele se denomina como “muti potencial”. Durante a semana de trabalho, divide o tempo para dar conta dessas funções. Nesta divisão está o Pokémon. Ator a quase 25 anos, dublador desde 1993 emprestou sua voz para dublar o tão querido Brock por 13 temporadas de Pokémon.

“Eu comecei em 1993, eu já era ator há um tempo e fiquei sabendo que ia ter um teste para a dublagem em um estúdio e na época se chamava “Mega Som”, nessa época estava cheio de trabalhos e eles precisavam de vozes novas, foi eu e mais dois amigos, nunca tinha feito nada. Fiz o teste, o diretor gostou, no mesmo dia me passou uma escala, fui nesse mesmo dia e a minha primeira escala era de uma novela mexicana, o primeiro personagem que dublei era o “capanga um” era uma novela cheia de policial e aventura e desde então eu não parei mais.”

Antes de começar a dublar Pokémon, Alfredo só conhecia o “célebre episódio que fez um monte de criança ir para o hospital”.

A primeira dublagem de Pokémon feita por Alfredo foi em um estúdio chamado “Master Sound” primeiro para fazer o teste para o personagem James que era o vilão da equipe Rocket, mas ficou responsável pela voz do Brock, amigo do personagem principal Ash.

“Brock entrou um pouquinho depois na série e acabou tendo uma importância enorme, dublei por 13 anos. Um ano ele não entrou, ficou em uma ilha com uma personagem feminina segundo a história e aí não dublei, foi assim que começou”, contou.

Alfredo dublou por 13 temporadas o Pokémon. Para ele o trabalho de dublagem gerou relacionamento com outros atores como uma vivência entre Brock, Ash, Misty, James e Jessie, os personagens fundamentais das temporadas.

Quanto à inspiração e caracterização do personagem Brock, Alfredo conta o que ele assimilou para refletir na voz brasileira de Brock.

“O Brock é super gente boa: o irmão mais velho, que cozinha, mais da paz, que quer constituir família, ser um criador Pokémon, não quer brigar e quando briga acaba perdendo”, detalhou.

Fãs

O trabalho do dublador se torna fundamental quando se trata de animes ou qualquer produto audiovisual, especialmente por conectar o público fã com os personagens e a história de uma maneira lúdica e nostálgica. Alfredo conta que os amantes do Pokémon o procuram porque sentem essa identificação.

Segundo o dublador, não é comum que fãs de determinados produtos procurem as vozes dubladoras, no entanto a comunidade Pokémon, assim como outras dos animes, é engajada na causa e vai atrás para reconhecer quem são a verdadeira essência dos personagens.

“A dublagem brasileira é considerada uma das melhores do mundo e os fãs de dublagem também estavam escondidos e de uns anos para cá eles começaram a aparecer, principalmente por influência dos animes. Por exemplo, Dragon Ball eu tenho um número de fãs muito grande porque é um personagem que é amado pelos fãs e a mesma coisa com o Pokémon”, explicou.

Os fãs pedem para que Alfredo volte a dublar o Brock. Sua voz ficou marcada durante esses 13 anos.

Apesar de não ser um fanático amante Pokémon, Alfredo conta que se envolveu tanto com o personagem que começou a assistir a versão brasileira primeiro para ouvir sua voz e depois como um espectador.